63ª edição do Leilão Nelore Mocho CV será realizado dia 23 de julho, na Fazenda São José

O 63º Leilão Nelore Mocho CV já tem data marcada. Ele será realizado no dia 23 de julho, na Fazenda São José, em Paulínia (SP). O remate, que ofertará 350 animais da safra 2015, todos com avaliação pelo programa Nelore Brasil, da ANCP (Associação Nacional dos Criadores e Pesquisadores), será transmitido ao vivo pelo Canal do Boi.

Dentre os animais, destacam-se 250 touros de 20 a 24 meses de idade, com fertilidade garantida; 60 novilhas com prenhez confirmada e parto previsto para setembro/outubro de 2017, entre 30 e 34 meses de idade, além de 40 novilhas jovens, prontas para a próxima estação de monta com idade entre 20 e 22 meses. Também está previsto o remate de um lote surpresa.

São animais rústicos, férteis e precoces, criados e recriados em regime de pasto. Todos são PO, de alta acurácia e com avaliação genética da ANCP, sendo a maioria deles portadores de CEIP do MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), para repasse em rebanhos de ponta e indicados para centrais de inseminação.

Carlos Viacava, titular da marca CV, explica que o leilão de Paulínia preza pela harmonia dos lotes. “Por ser um leilão de produção, existe uma grande uniformidade, pois são animais homogêneos, de grupos contemporâneos, com grande avaliação genética. Todos são de uma mesma estação de monta, com precocidade acentuada e garantia de fertilidade”, destaca.

Para o CEO da marca CV, Ricardo Viacava, o remate trará o melhor da Seleção Nelore Mocho CV. “Há diversos animais muito bem avaliados, touros candidatos a teste de progênie, alguns prováveis doadores de sêmen no futuro e outros para repasse. Enfim, um gado com avaliação muito boa”, ressalta.

Serão apresentados lotes individuais, lotes duplos, triplos e maiores, voltados a criadores que querem produzir excelentes bezerros de corte e para obter uma vacada precoce. “Esperamos cerca de 500 pessoas em nosso encontro, já sabendo que muitos nos acompanharão pelo Canal do Boi. Estes são responsáveis por mais da metade das compras dos lotes, pois já conhecem o nosso gado”, conclui Viacava.